Decisão do Conselho Monetário vale somente para as 'fintechs' classificadas como Sociedades de Crédito Direto.

Pela decisão, empresas também poderão emitir cartão de crédito.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou nesta quinta-feira (26) o repasse de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) por meio de empresas de tecnologia de serviço financeiro, as chamadas "fintechs". A decisão começa a valer em 4 e maio e define que o repasse só poderá ser feito por empresas classificadas como Sociedades de Crédito Direto (SCD).

Pela decisão, as empresas também poderão emitir cartões de crédito. "Fintechs" são pequenas empresas de tecnologia de serviço financeiro que oferecem crédito e contas pela internet.

Como repassadoras de recursos do BNDES, poderão emprestar dinheiro mesmo sem fonte própria de recursos. Segundo o Banco Central, a decisão torna as instituições "um importante canal de realização de políticas públicas". O que diz o BC Segundo o BC, ao atuarem com uma estrutura de baixo custo operacional, essas entidades se especializaram em atender segmentos com reduzido histórico de crédito no país, tais como os micro e pequenos empresários e podem contribuir no atual momento de crise decorrente do avanço do coronavírus no país. “Na avaliação feita pelo Banco Central, a emissão de cartões de crédito está de acordo com o modelo de negócio dessas instituições, que hoje já podem realizar operações de crédito e emitir moeda eletrônica”, afirmou. A regulação do BC sobre fintechs foi criada em 2018 e dividiu em Sociedades de Crédito Direto (SCD) e em Sociedade e Empréstimo entre Pessoas (SEP), que são as instituições que funcionam como intermediárias entre investidores e pessoas que pedem crédito. As fintechs que não tem aval do BC para virar instituição financeira funcionam apenas como correspondentes bancários e precisam de um banco para formalizarem o empréstimo.